Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH)

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Eclesiastes 1 a 2 (dia 168) + Provérbios 30 a 31

Provérbios 30

As palavras de Agur

1 São estas as palavras solenes de Agur, filho de Jaque:
“Deus não está comigo,
Deus não está comigo.
Estou desamparado.

2 Sou mais animal do que gente;
não tenho a inteligência
que um ser humano deve ter.

3 Nunca aprendi a ser sábio
e não conheço o Deus Santo.

4 Quem já sabe tudo a respeito do céu?
Quem já pegou o vento com as mãos?
Quem já embrulhou água num pano?
Quem já marcou os limites da terra?
Você sabe quem é ele? E quem é o filho dele?
5 Tudo o que Deus diz é verdade. Ele é como um escudo para todos os que procuram a sua proteção.

6 Nunca declare que Deus disse alguma coisa que, de fato, ele não disse; se você fizer isso, ele o corrigirá e mostrará que você é mentiroso.”



Uma oração

7 Eu te peço, ó Deus, que me dês duas coisas antes de eu morrer: 8 não me deixes mentir e não me deixes ficar nem rico nem pobre. Dá-me somente o alimento que preciso para viver.

9 Porque, se eu tiver mais do que o necessário, poderei dizer que não preciso de ti. E, se eu ficar pobre, poderei roubar e assim envergonharei o teu nome, ó meu Deus.



Outros provérbios

10 Nunca fale mal de um empregado ao patrão dele para que você não seja amaldiçoado, nem sofra por isso.

11 Há pessoas que amaldiçoam o próprio pai e são ingratas com a própria mãe.

12 Há pessoas que pensam que são puras, mas a sua sujeira ainda não foi lavada.

13 Há pessoas que são tão orgulhosas, que olham os outros com desprezo.

14 Há pessoas que ganham a vida explorando sem dó nem piedade os pobres e os necessitados.

15 A sanguessuga tem duas filhas, e as duas se chamam: Me dá! Me dá!
Há quatro coisas que nunca estão satisfeitas:

16 o mundo dos mortos;
a mulher sem filhos;
a terra seca que precisa sempre de chuva;
e o fogo de um incêndio.

17 Quem caçoa do seu pai ou despreza a sua mãe, quando ela fica velha, será comido pelos urubus ou terá os olhos arrancados pelos corvos.

18 Há quatro coisas misteriosas que eu não consigo entender:

19 a águia voando no céu;
a cobra se arrastando nas pedras;
o navio que encontra o seu caminho no mar;
e o amor entre um homem e uma mulher.

20 Uma esposa infiel age assim: comete adultério, toma um banho e depois diz: “Não fiz nada de errado!”

21 Há quatro coisas que a terra não pode tolerar:

22 o escravo que se torna rei;
o tolo que tem para comer tudo o que quer;

23 a mulher de mau gênio que arranja casamento;
e a escrava que toma o lugar da sua senhora.

24 No mundo há quatro animais que são pequenos, mas muito espertos:

25 as formigas, que são fracas, mas ajuntam a sua comida no verão;

26 os coelhos selvagens, que também não são fortes, mas fazem as suas casas nas pedras;

27 os gafanhotos, que não têm rei, mas avançam em bandos;

28 e as lagartixas, que qualquer um pode pegar com a mão, mas podem ser encontradas até nos palácios.

29 Há quatro seres vivos que, quando caminham, causam olhares de admiração:

30 o leão, o mais forte de todos os animais, que não tem medo de nada;

31 o bode;
o galo, que anda de peito erguido;
e um rei diante do seu povo.

32 Se você tem sido bastante tolo para ser orgulhoso e planejar o mal, então pare e pense:

33 bater o leite dá manteiga;
pancada no nariz faz sair sangue;
provocar a raiva dá briga.



Provérbios 31

Conselhos para um rei


1 São estas as palavras solenes que a mãe do rei Lemuel lhe disse:
2 Você é o meu filho querido, a resposta das minhas orações. O que lhe direi? 3 Não gaste toda a sua energia nem todo o seu dinheiro com mulheres, pois até reis já se destruíram assim. 4 Escute, Lemuel! Os reis não devem beber vinho nem outras bebidas alcoólicas. 5 Quando eles bebem, não lembram das leis e esquecem os direitos dos que são explorados. 6 As bebidas alcoólicas são para os que estão morrendo, para os que estão na miséria.

7 Que eles bebam e esqueçam que são pobres e infelizes!
8 Fale a favor daqueles que não podem se defender. Proteja os direitos de todos os desamparados.

9 Fale por eles e seja um juiz justo. Proteja os direitos dos pobres e dos necessitados.



A esposa ideal

10 Como é difícil encontrar uma boa esposa! Ela vale mais do que pedras preciosas!

11 O seu marido confia nela e nunca ficará pobre.

12 Em todos os dias da sua vida, ela só lhe faz o bem e nunca o mal.

13 Está sempre ocupada, fazendo roupas de lã e de linho.

14 De lugares distantes ela traz comida para casa, como fazem os navios que carregam mercadorias.

15 Ela se levanta de madrugada para preparar comida para a família e para dar ordens às empregadas.

16 Examina e compra uma propriedade com o dinheiro que ganhou e faz nela uma plantação de uvas.

17 É esforçada, forte e trabalhadora.

18 Conhece o valor de tudo o que faz e trabalha até tarde da noite.

19 Ela prepara fios de lã e de linho para tecer as suas próprias roupas.

20 Ajuda os pobres e os necessitados.

21 Quando faz muito frio, ela não se preocupa, porque a sua família tem agasalhos para vestir.

22 Faz cobertas e usa roupas de linho e de outros tecidos finos.

23 O seu marido é estimado por todos — é um dos principais cidadãos do lugar.

24 Ela faz roupas e cintos para vender aos comerciantes.

25 É forte, respeitada e não tem medo do futuro.

26 Fala com sabedoria e delicadeza.

27 Ela nunca tem preguiça e está sempre cuidando da sua família.
28 Os seus filhos a respeitam e falam bem dela, e o seu marido a elogia.

29 Ele diz: “Muitas mulheres são boas esposas, mas você é a melhor de todas.”
30 A formosura é uma ilusão, e a beleza acaba, mas a mulher que teme o Senhor Deus será elogiada. 31 Deem a ela o que merece por tudo o que faz, e que seja elogiada por todos.



Eclesiastes 1

A vida é ilusão

1 São estas as palavras do Sábio, que era filho de Davi e rei em Jerusalém.
2 É ilusão, é ilusão, diz o Sábio. Tudo é ilusão. 3 A gente gasta a vida trabalhando, se esforçando e afinal que vantagem leva em tudo isso? 4 Pessoas nascem, pessoas morrem, mas o mundo continua sempre o mesmo. 5 O sol continua a nascer, e a se pôr, e volta ao seu lugar para começar tudo outra vez. 6 O vento sopra para o sul, depois para o norte, dá voltas e mais voltas e acaba no mesmo lugar. 7 Todos os rios correm para o mar, porém o mar não fica cheio. A água volta para onde nascem os rios, e tudo começa outra vez. 8 Todas as coisas levam a gente ao cansaço — um cansaço tão grande, que nem dá para contar. Os nossos olhos não se cansam de ver, nem os nossos ouvidos, de ouvir. 9 O que aconteceu antes vai acontecer outra vez. O que foi feito antes será feito novamente. Não há nada de novo neste mundo. 10 Será que existe alguma coisa de que a gente possa dizer: “Veja! Isto nunca aconteceu no mundo”? Não! Tudo já aconteceu antes, bem antes de nós nascermos.

11 Ninguém lembra do que aconteceu no passado; quem vier depois das coisas que vão acontecer no futuro também não vai lembrar delas.



A experiência do Sábio

12 Eu, o Sábio, fui rei de Israel, em Jerusalém.

13 E resolvi examinar e estudar tudo o que se faz neste mundo. Que serviço cansativo é este que Deus nos deu!
14 Eu tenho visto tudo o que se faz neste mundo e digo: tudo é ilusão. É tudo como correr atrás do vento. 15 Ninguém pode endireitar o que é torto, nem fazer contas quando faltam os números. 16 E pensei assim: “Eu me tornei um grande homem, muito mais sábio do que todos os que governaram Jerusalém antes de mim. Eu realmente sei o que é a sabedoria e o que é o conhecimento.” 17 Assim, procurei descobrir o que é o conhecimento e a sabedoria, o que é a tolice e a falta de juízo. Mas descobri que isso é o mesmo que correr atrás do vento. 18 Quanto mais sábia é uma pessoa, mais aborrecimentos ela tem; e, quanto mais sabe, mais sofre.



Eclesiastes 2

1 Então resolvi me divertir e gozar os prazeres da vida. Mas descobri que isso também é ilusão. 2 Cheguei à conclusão de que o riso é tolice e de que o prazer não serve para nada.

3 Procurei ainda descobrir qual a melhor maneira de viver e então resolvi me alegrar com vinho e me divertir. Pensei que talvez fosse essa a melhor coisa que uma pessoa pode fazer durante a sua curta vida aqui na terra.
4 Realizei grandes coisas. Construí casas para mim e fiz plantações de uvas. 5 Plantei jardins e pomares, com todos os tipos de árvores frutíferas. 6 Também construí açudes para regar as plantações. 7 Comprei muitos escravos e além desses tive outros, nascidos na minha casa. Tive mais gado e mais ovelhas do que todas as pessoas que moraram em Jerusalém antes de mim.

8 Também ajuntei para mim prata e ouro dos tesouros dos reis e das terras que governei. Homens e mulheres cantaram para me divertir, e tive todas as mulheres que um homem pode desejar.
9 Sim! Fui grande. Fui mais rico do que todos os que viveram em Jerusalém antes de mim, e nunca me faltou sabedoria. 10 Consegui tudo o que desejei. Não neguei a mim mesmo nenhum tipo de prazer. Eu me sentia feliz com o meu trabalho, e essa era a minha recompensa.

11 Mas, quando pensei em todas as coisas que havia feito e no trabalho que tinha tido para conseguir fazê-las, compreendi que tudo aquilo era ilusão, não tinha nenhum proveito. Era como se eu estivesse correndo atrás do vento.
12 Então comecei a pensar no que é ser sábio e no que é ser tolo ou sem juízo. Por exemplo: será que um rei pode fazer alguma coisa que seja nova? Não! Só pode fazer o que fizeram os reis que reinaram antes dele. 13 E cheguei à conclusão de que a sabedoria é melhor do que a tolice, assim como a luz é melhor do que a escuridão. 14 Os sábios podem ver para onde estão indo, mas os tolos andam na escuridão. Porém eu sei que o mesmo que acontece com os sábios acontece também com os tolos. 15 Aí eu pensei assim: “O que acontece com os tolos vai acontecer comigo também. Então, o que é que eu ganhei sendo tão sábio?” E respondi: “Não ganhei nada!” 16 Ninguém lembra para sempre dos sábios, como ninguém lembra dos tolos. No futuro todos nós seremos esquecidos. Todos morreremos, tanto os sábios como os tolos.

17 Por isso, a vida começou a não valer nada para mim; ela só me havia trazido aborrecimentos. Tudo havia sido ilusão; eu apenas havia corrido atrás do vento.
18 Tudo o que eu tinha e que havia conseguido com o meu trabalho não valia nada para mim. Sabia que teria de deixar tudo para o rei que ficasse no meu lugar. 19 E ele poderia ser um sábio ou um tolo — quem é que sabe? No entanto, ele seria o dono de todas as coisas que eu consegui com o meu trabalho e ficaria com tudo o que a minha sabedoria me deu neste mundo. Tudo é ilusão. 20 Então eu me arrependi de ter trabalhado tanto e fiquei desesperado por causa disso. 21 A gente trabalha com toda a sabedoria, conhecimento e inteligência para conseguir alguma coisa e depois tem de deixar tudo para alguém que não fez nada para merecer aquilo. Isso também é ilusão e não está certo! 22 Nós trabalhamos e nos preocupamos a vida toda e o que é que ganhamos com isso?

23 Tudo o que fazemos na vida não nos traz nada, a não ser preocupações e desgostos. Não podemos descansar, nem de noite. É tudo ilusão.
24 A melhor coisa que alguém pode fazer é comer e beber e se divertir com o dinheiro que ganhou. No entanto, compreendi que mesmo essas coisas vêm de Deus. 25 Sem Deus, como teríamos o que comer ou com que nos divertir? 26 Ele dá sabedoria, conhecimento e felicidade às pessoas de quem ele gosta. Mas Deus faz com que os maus trabalhem, economizem e ajuntem a fim de que a riqueza deles seja dada às pessoas de quem ele gosta mais. Tudo é ilusão. É tudo como correr atrás do vento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário