Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH)

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Jeremias 29 a 32 (dia 197)

Jeremias 29-32

A carta de Jeremias aos judeus da Babilônia

29 Eu escrevi uma carta aos judeus que Nabucodonosor havia levado como prisioneiros de Jerusalém para a Babilônia: autoridades, sacerdotes, profetas e todo o povo. Isso aconteceu depois de terem saído de Jerusalém o rei Joaquim, a sua mãe, os oficiais do palácio, as autoridades de Judá e de Jerusalém, os carpinteiros e os outros operários especializados. O rei Zedequias, de Judá, mandou que Elasa, filho de Safã, e Gemarias, filho de Hilquias, levassem a carta ao rei Nabucodonosor, da Babilônia. Ela dizia:
“O Senhor Todo-Poderoso, o Deus de Israel, diz o seguinte a todos os judeus que ele deixou Nabucodonosor levar como prisioneiros de Jerusalém para a Babilônia: ‘Construam casas e morem nelas. Plantem árvores frutíferas e comam as suas frutas. Casem e tenham filhos. E que os filhos casem e também tenham filhos. Vocês devem aumentar em número e não diminuir. Trabalhem para o bem da cidade para onde eu os mandei como prisioneiros. Orem a mim, pedindo em favor dela, pois, se ela estiver bem, vocês também estarão. Eu, o Senhor Todo-Poderoso, o Deus de Israel, os estou avisando para que não se deixem enganar pelos profetas que vivem no meio de vocês nem por aqueles que dizem que podem adivinhar o futuro. Não deem atenção aos sonhos deles. Eles dizem mentiras em meu nome. Eu não os enviei. Eu, o Senhor, estou falando.’
10 “O Senhor Deus diz ainda: ‘Quando os setenta anos da Babilônia passarem, eu mostrarei que me interesso por vocês e cumprirei a minha promessa de trazê-los de volta à pátria. 11 Só eu conheço os planos que tenho para vocês: prosperidade e não desgraça e um futuro cheio de esperança. Sou eu, o Senhor, quem está falando. 12 Então vocês vão me chamar e orar a mim, e eu responderei. 13 Vocês vão me procurar e me achar, pois vão me procurar com todo o coração. 14 Sim! Eu afirmo que vocês me encontrarão e que eu os levarei de volta à pátria. Eu os ajuntarei de todos os países e de todos os lugares por onde os espalhei. E levarei vocês de volta à terra de onde os tirei e levei como prisioneiros. Eu, o Senhor, estou falando.’
15 “Vocês dizem que o Senhor lhes deu profetas aí na Babilônia. 16 Prestem atenção no que ele diz a respeito do rei que ocupa o trono de Davi e a respeito dos moradores de Jerusalém, isto é, dos parentes que não foram levados com vocês como prisioneiros. 17 O Senhor Todo-Poderoso diz: ‘Eu mandarei contra eles guerra, fome e doença; e farei com que sejam como figos estragados, ruins demais para serem comidos. 18 Eu os perseguirei com guerra, fome e doença; e as nações do mundo ficarão horrorizadas com o que virem. Em todos os lugares para onde eu os espalhar, as pessoas ficarão chocadas e horrorizadas com o que aconteceu com eles. Zombarão deles e usarão o seu nome para rogar pragas. 19 Isso acontecerá porque não obedeceram à mensagem que eu sempre lhes enviei por meio dos meus servos, os profetas. Eles não quiseram me ouvir. 20 Mas agora todos vocês, que eu deixei o rei da Babilônia levar de Jerusalém como prisioneiros, escutem o que eu, o Senhor, estou dizendo.’
21 “O Senhor Todo-Poderoso, o Deus de Israel, falou contra Acabe, filho de Colaías, e contra Zedequias, filho de Maaseias, que estão usando o nome de Deus para anunciar mentiras. Deus disse que os entregará nas mãos do rei Nabucodonosor, da Babilônia, e que este os mandará matar diante dos olhos de vocês. 22 Quando aqueles que foram levados como prisioneiros de Jerusalém para a Babilônia quiserem amaldiçoar alguém, vão dizer assim: ‘Que o Senhor Deus faça com você o que fez com Zedequias e Acabe, que foram assados vivos por ordem do rei da Babilônia!’ 23 Isso acontecerá com Zedequias e Acabe porque a sua conduta foi vergonhosa — cometeram adultério e, contra a vontade de Deus, contaram mentiras em seu nome. Deus sabe o que fizeram e é testemunha contra eles. O Senhor falou.”

A carta de Semaías

24-25 O Senhor Todo-Poderoso, o Deus de Israel, me mandou dizer o seguinte a Semaías, da cidade de Neelão:
— Você enviou cartas em seu próprio nome a todo o povo de Jerusalém, a Sofonias, filho do sacerdote Maaseias, e a todos os outros sacerdotes. Nessas cartas, você dizia a Sofonias: 26 “O Senhor Deus o fez sacerdote em lugar de Joiada, e agora você é o chefe dos serviços do Templo. É seu dever mandar prender qualquer louco que quiser passar por profeta e pôr uma coleira de ferro no pescoço dele. 27 Então, por que é que você não repreendeu Jeremias, da cidade de Anatote, que tem bancado o profeta no meio do povo? 28 Jeremias deve ser repreendido porque mandou dizer aos prisioneiros na Babilônia que eles iam ficar ali por muito tempo e que por isso deviam construir casas, morar nelas, plantar árvores frutíferas e comer as suas frutas.”
29 O sacerdote Sofonias leu esta carta para mim. 30-32 Então o Senhor Deus me ordenou que mandasse a todos os prisioneiros na Babilônia a seguinte mensagem a respeito de Semaías: “Eu, o Senhor, castigarei Semaías e todos os seus descendentes. Eu não o enviei, mas ele falou com vocês como se fosse profeta e fez com que acreditassem em mentiras. Por isso, ele não terá descendentes no meio de vocês. Ele procurou levar o povo a se revoltar contra mim e por isso não viverá para ver as boas coisas que eu farei pelo meu povo. Eu, o Senhor, falei.”

Promessas de Deus

30 1-3 O Senhor, o Deus de Israel, me disse o seguinte:
— Jeremias, escreva num livro tudo o que eu lhe falei, pois está chegando a hora de eu fazer voltar o meu povo, tanto Israel como Judá. Vou trazê-los de volta para a terra que dei aos seus antepassados, e eles serão donos dela novamente. Eu, o Senhor, falei.
O Senhor Deus diz o seguinte a respeito de Israel e de Judá:
“Ouvi um grito de terror,
grito de medo e não de paz.
Parem e pensem!
Será que um homem pode dar à luz uma criança?
Então por que vejo todos esses homens com as mãos na barriga,
como a mulher que está com dores de parto?
Por que estão todos tão pálidos?
Está chegando um dia horrível!
Nenhum outro dia pode ser comparado com ele.
Para os descendentes de Jacó, será um tempo de aflição,
mas eles serão salvos dela.”
O Senhor Todo-Poderoso diz:
— Quando esse dia chegar, eu quebrarei a canga que está no pescoço deles e arrancarei as suas correntes. Então eles não serão mais escravos de estrangeiros. Pelo contrário, servirão a mim, o Senhor, seu Deus, e também ao descendente de Davi, que eu lhes darei como rei.
10 “Descendentes do meu servo Jacó, não tenham medo!
Povo de Israel, não fique assustado!
Eu os libertarei dessa terra distante,
da terra onde vocês são prisioneiros.
Os descendentes de Jacó voltarão
e viverão em paz;
viverão em segurança,
e ninguém fará com que fiquem com medo.
Sou eu, o Senhor, quem está falando.
11 Estarei com vocês para salvá-los.
Acabarei com todas as nações
por onde os espalhei,
mas vocês não serão destruídos.
Vocês não ficarão sem castigo;
mas, quando eu os castigar,
não serei duro demais.
Eu, o Senhor, estou falando.”
12 O Senhor diz à cidade de Jerusalém:
“O mal deste povo não tem cura,
e as suas feridas não saram.
13 Não existe ninguém para cuidar de você.
Não há remédio para as suas feridas,
não há esperança de cura.
14 Todos os seus amantes a esqueceram
e não lhe dão confiança.
Eu a ataquei como se você fosse um inimigo;
o seu castigo tem sido duro
porque os seus pecados são muitos,
e a sua maldade é grande.
15 Não se queixe mais por causa dos seus ferimentos,
pois eles não têm cura.
Eu a castiguei assim
porque os seus pecados são muitos,
e a sua maldade é grande.
16 Mas agora todos os que a destruíram serão destruídos,
e todos os seus inimigos serão levados como prisioneiros.
Todos os que a perseguiram serão perseguidos,
e todos os que a assaltaram serão assaltados.
17 Os seus inimigos dizem:
‘Sião é desprezada,
ninguém se importa com ela!’
Mas eu lhe darei saúde novamente
e curarei as suas feridas.
Eu, o Senhor, estou falando.”
18 O Senhor diz:
“Eu trarei os descendentes de Jacó de volta para a sua terra
e terei misericórdia de cada família.
Jerusalém será construída de novo,
e no palácio morará gente outra vez.
19 As pessoas que vivem ali cantarão louvores
e darão gritos de alegria.
Farei com que cresçam em número
e sejam tratadas com respeito.
20 A nação se firmará como antigamente,
e a sua gente será forte de novo.
Eu castigarei todos os que a fazem sofrer.
21-22 O seu governador virá do seu próprio povo,
será uma pessoa da própria nação.
Quando eu o convidar,
ele chegará perto de mim;
ninguém teria a coragem de vir sem ser convidado.
Eles serão o meu povo,
e eu serei o seu Deus.
Eu, o Senhor, falei.”
23-24 A ira do Senhor é uma tempestade, um vento forte que explodirá em cima da cabeça dos maus. E essa ira não acabará até que Deus faça tudo o que planejou. No futuro, o seu povo compreenderá isso muito bem.

A volta do povo de Israel

31 O Senhor Deus diz:
— Está chegando o tempo em que eu serei o Deus de todas as tribos de Israel, e elas serão o meu povo. No deserto, tive pena daqueles que haviam escapado da morte. Quando o povo de Israel procurava descanso, eu, vindo de longe, apareci a eles. Povo de Israel, eu sempre os amei e continuo a mostrar que o meu amor por vocês é eterno. Eu construirei de novo a nação. Mais uma vez, vocês pegarão os seus tamborins e dançarão de alegria. Mais uma vez, vocês farão plantações de uva nos montes de Samaria, e quem plantar colherá as frutas. Está chegando o tempo em que os vigias gritarão nas montanhas de Efraim: “Venham! Vamos subir até Sião, onde está o Senhor, nosso Deus!”
O Senhor diz:
“Cantem de alegria por causa de Israel,
a maior de todas as nações.
Cantem este hino de louvor:
‘O Senhor salvou o seu povo,
ele livrou o resto do povo de Israel.’
Eu os trarei do Norte
e os ajuntarei dos lugares mais distantes da terra.
Com eles virão os cegos e os aleijados,
as mulheres grávidas e as que estão para dar à luz.
Eles vão voltar como uma grande nação.
Quando eu os trouxer,
eles virão chorando e orando.
Eu os levarei para a beira de águas correntes,
por uma estrada plana,
onde não tropeçarão.
Sou como um pai para Israel,
e Efraim é o meu filho mais velho.”
10 O Senhor diz ainda:
“Nações, escutem o que eu, o Senhor, estou dizendo
e anunciem as minhas palavras
nas ilhas e terras distantes.
Eu espalhei o povo de Israel,
mas vou ajuntá-lo de novo
e guardá-lo como um pastor guarda o seu rebanho.
11 Eu libertei os descendentes de Jacó
e os salvei das mãos de uma nação mais forte do que eles.
12 E vão chegar
e cantar de alegria no monte Sião;
vão se alegrar com os meus presentes,
com os cereais, o vinho, o azeite, o gado e os carneiros.
Eles serão como um jardim bem-regado
e terão tudo o que precisarem.
13 Então as moças, os moços e os velhos vão dançar e se alegrar.
Eu os animarei e mudarei o seu choro em alegria
e a sua tristeza em prazer.
14 Alimentarei os sacerdotes com muita comida boa
e darei ao meu povo tudo o que precisar.
Eu, o Senhor, estou falando.”

Deus tem misericórdia de Israel

15 O Senhor diz:
“Ouviu-se um som em Ramá,
o som de um choro amargo.
Era Raquel chorando pelos seus filhos;
ela não quer ser consolada,
pois todos estão mortos.
16 Pare de chorar
e enxugue as suas lágrimas.
Tudo o que você fez pelos seus filhos será recompensado;
eles voltarão da terra do inimigo.
Sou eu, o Senhor, quem está falando.
17 Há esperança para você no futuro;
os seus filhos voltarão para casa.
Sou eu, o Senhor, quem está falando.
18 “Escuto estas queixas do povo de Israel:
‘Ó Deus, nós éramos
como touros novos ainda não amansados,
mas tu nos ensinaste a obedecer.
Faze-nos voltar, ó Deus,
e voltaremos a ti,
pois tu és o Senhor, nosso Deus.
19 Nós nos afastamos de ti,
mas logo nos arrependemos.
Depois que nos castigaste,
curvamos a nossa cabeça em sinal de tristeza.’
20 “Povo de Israel,
você é o meu filho querido,
o filho que eu mais amo.
Sempre que digo o seu nome,
penso em você com amor.
O meu coração se comove,
e eu certamente terei misericórdia de você.
Sou eu, o Senhor, quem está falando.
21 Ponha avisos e marque a estrada;
repare bem no caminho por onde você passar.
Volte, povo de Israel,
volte para as cidades que eram suas.
22 Povo rebelde, até quando você vai ficar na dúvida?
Eu, o Senhor, criei uma coisa nova e diferente na terra:
uma mulher protegendo um homem.”

A prosperidade do povo de Deus

23 O Senhor Todo-Poderoso, o Deus de Israel, diz:
— Quando eu trouxer os israelitas de volta à sua pátria, eles de novo dirão na terra de Judá e nas suas cidades:
“Que o Senhor abençoe o monte sagrado de Jerusalém,
onde ele, o Deus de justiça, mora.”
24 O povo viverá em Judá e em todas as suas cidades; e haverá lavradores e também pastores com os seus rebanhos. 25 Eu animarei os cansados e darei comida a todos os que estão fracos de fome.
26 Então eu acordei descansado e bem-disposto.
27 — Eu, o Senhor, digo que está chegando o tempo em que encherei de gente e de animais as terras de Israel e de Judá. 28 Assim como cuidei deles para arrancar, derrubar, arruinar, destruir e arrasar, assim também cuidarei deles para plantar e construir. Sou eu, o Senhor, quem está falando. 29 Quando esse tempo chegar, o povo não dirá mais:
“Os pais comeram uvas verdes,
mas foram os dentes dos filhos
que ficaram ásperos.”
30 Pelo contrário, quem comer uvas verdes é que vai ficar com os dentes ásperos; e cada um morrerá por causa do seu próprio pecado.
31 O Senhor Deus diz:
— Está chegando o tempo em que farei uma nova aliança com o povo de Israel e com o povo de Judá. 32 Essa aliança não será como aquela que eu fiz com os antepassados deles no dia em que os peguei pela mão e os tirei da terra do Egito. Embora eu fosse o Deus deles, eles quebraram a minha aliança. Sou eu, o Senhor, quem está falando. 33 Quando esse tempo chegar, farei com o povo de Israel esta aliança: eu porei a minha lei na mente deles e no coração deles a escreverei; eu serei o Deus deles, e eles serão o meu povo. Sou eu, o Senhor, quem está falando. 34 Ninguém vai precisar ensinar o seu patrício nem o seu parente, dizendo: “Procure conhecer a Deus, o Senhor.” Porque todos me conhecerão, tanto as pessoas mais importantes como as mais humildes. Pois eu perdoarei os seus pecados e nunca mais lembrarei das suas maldades. Eu, o Senhor, estou falando.
35 O Senhor fez o sol para ser a luz do dia,
a lua e as estrelas para brilharem de noite.
Deus faz o mar ficar bravo
e faz rugir as suas ondas;
o seu nome é Senhor, o Todo-Poderoso.
36 Ele promete que, enquanto durarem as leis da natureza,
Israel será sempre uma nação.
37 Se algum dia for possível medir os céus
e examinar os alicerces da terra,
então eu rejeitarei o povo de Israel
por causa de tudo o que ele tem feito.
O Senhor Deus está falando.
38 — Está chegando o tempo — diz o Senhor — em que esta cidade será construída de novo, desde a torre de Hananel até o Portão da Esquina. 39 Dali a linha da divisa continuará até o monte Garebe e daí vai virar na direção de Goa. 40 Será sagrado para mim, o Senhor, o vale todo onde são jogados os mortos e o lixo. Serão sagrados também todos os campos que ficam além do riacho do Cedrom até o Portão dos Cavalos, a leste. Nunca mais Jerusalém será derrubada, nem destruída.

Jeremias compra terras

32 No ano décimo do reinado de Zedequias em Judá, que era o ano décimo oitavo do reinado de Nabucodonosor na Babilônia, o Senhor Deus falou comigo. Nesse tempo, o exército do rei da Babilônia cercava Jerusalém, e eu estava preso no pátio do palácio real. O rei Zedequias havia mandado me prender, acusando-me de anunciar que o Senhor tinha dito o seguinte: “Eu entregarei esta cidade ao rei da Babilônia, e ele a conquistará. O rei Zedequias não escapará dos babilônios, mas será entregue ao rei deles. Zedequias verá o rei da Babilônia cara a cara e falará com ele pessoalmente. Será levado para a Babilônia e ficará ali até que eu cuide dele. Mesmo que lute contra os babilônios, não poderá vencer. Eu, o Senhor, estou falando.”
O Senhor Deus me disse que Hanamel, filho do meu tio Salum, ia me procurar e pedir que eu comprasse as terras dele em Anatote. Isso porque sou o seu parente mais chegado e tenho o direito de comprá-las. Então, exatamente como o Senhor tinha dito, o meu primo Hanamel me procurou no pátio da guarda e me disse:
— Compre as minhas terras que ficam em Anatote, no território de Benjamim. Você é o meu parente mais chegado e por isso tem o direito de comprar essas terras e ficar com elas.
Aí entendi que era Deus que estava me mandando fazer isso. Assim comprei as terras de Hanamel e pesei o dinheiro para ele. O preço foi de duzentos gramas de prata. 10 Assinei a escritura e fechei-a com um selo. Depois, chamei testemunhas e pesei o dinheiro numa balança. 11 Então peguei a cópia fechada com o selo, a qual tinha o contrato e as condições, e também a cópia aberta 12 e dei as duas a Baruque, filho de Nerias e neto de Maaseias. Fiz isso na frente de Hanamel, das testemunhas que assinaram a escritura e de todos os judeus que estavam sentados no pátio. 13 Diante de todos eles, eu disse a Baruque:
14 — O Senhor Todo-Poderoso, o Deus de Israel, mandou que você pegue estas escrituras de compra, tanto a cópia fechada com o selo como a aberta, e as coloque num pote de barro para que durem muitos anos. 15 O Senhor Todo-Poderoso, o Deus de Israel, disse que neste país ainda serão compradas casas, terras e plantações de uvas.

A oração de Jeremias

16 Depois que dei a Baruque, filho de Nerias, a escritura de compra, eu orei assim:
17 — Ó Senhor, meu Deus, com o teu grande poder e com a tua força, fizeste o céu e a terra. Nada é impossível para ti. 18 Tens sido bondoso para milhares de pessoas, mas também tens castigado os filhos por causa dos pecados dos seus pais. Tu és o grande e poderoso Deus; o teu nome é Senhor, o Todo-Poderoso. 19 Tu fazes grandes planos e coisas maravilhosas. Tu vês tudo o que as pessoas fazem e tratas cada uma de acordo com o seu modo de agir e de viver. 20 Fizeste milagres e maravilhas na terra do Egito e continuas a fazer o mesmo até hoje, tanto em Israel como em todas as outras nações. Por isso, agora és conhecido em toda parte. 21 Tiraste o povo de Israel da terra do Egito por meio do teu poder e da tua força e por meio de milagres e maravilhas que encheram de terror os nossos inimigos. 22 Deste aos israelitas esta terra boa e rica, como havias prometido aos seus antepassados. 23 Mas, quando eles entraram nesta terra e tomaram posse dela, não obedeceram aos teus mandamentos, nem viveram de acordo com os teus ensinamentos; não fizeram nada daquilo que havias mandado. Por isso, fizeste cair sobre eles toda esta desgraça.
24 — Os babilônios construíram rampas de terra em volta das muralhas da cidade a fim de invadi-la e agora estão atacando. A guerra, a fome e as doenças vão fazer a cidade cair nas mãos deles. Como vês, tudo o que disseste aconteceu. 25 No entanto, Senhor, meu Deus, tu me mandaste comprar terras na presença de testemunhas, apesar de os babilônios estarem quase tomando a cidade.

A resposta de Deus

26 Então o Senhor me respondeu:
27 — Eu sou o Senhor, o Deus de toda a humanidade. Nada é impossível para mim. 28 Por isso, vou entregar esta cidade ao rei Nabucodonosor, da Babilônia, e ao seu exército, e eles a tomarão. 29 Os babilônios, que estão atacando, vão entrar na cidade e pôr fogo nela. Eles queimarão as casas onde o povo me tem provocado queimando incenso ao deus Baal nos terraços e derramando bebidas como oferta a outros deuses. 30 Desde o princípio, o povo de Israel e o povo de Judá só têm feito coisas más. As suas maldades têm provocado a minha ira. 31 Esta cidade tem provocado a minha ira e o meu furor desde o dia em que foi construída. Eu resolvi acabar com ela 32 por causa de todas as maldades que têm sido feitas pelo povo de Israel e pelo povo de Judá, pelos seus reis e autoridades, pelos seus sacerdotes e profetas e pelo povo de Jerusalém. 33 Eles me viraram as costas. E, embora eu continuasse ensinando essa gente, eles não escutaram, não aprenderam a lição, nem deram atenção às ameaças. 34 Até ídolos horrorosos eles colocaram no Templo construído em meu nome e o profanaram. 35 No vale de Ben-Hinom, eles construíram altares ao deus Baal, para ali queimar os seus filhos e as suas filhas em honra do deus Moloque. Eu não lhes dei ordem para isso e nunca pensei que eles fizessem uma coisa tão nojenta como essa e levassem o povo de Judá a pecar.

Promessa de esperança

36 Depois, o Senhor, o Deus de Israel, disse o seguinte:
— Jeremias, o povo anda dizendo que a guerra, a fome e as doenças vão fazer esta cidade cair nas mãos do rei da Babilônia. Agora, escute o que vou dizer! 37 Vou ajuntar aqueles que na minha ira, cólera e furor eu espalhei. Eu os trarei de volta a este lugar e os deixarei viver aqui em segurança. 38 Eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus. 39 Eu lhes darei este único propósito na vida: temer sempre a mim, para o próprio bem deles e dos seus descendentes. 40 Vou fazer com eles esta aliança eterna: nunca deixarei de lhes fazer o bem; farei com que me respeitem com sinceridade para que nunca se afastem de mim. 41 Terei prazer em lhes fazer o bem e com todo o meu coração e com toda a minha alma deixarei que fiquem morando nesta terra.
42 — Assim como eu trouxe esta desgraça a este povo, também lhe darei todas as boas coisas que prometi. 43 Jeremias, o povo anda dizendo que esta terra vai ficar como um deserto, sem gente e sem animais, e que será entregue aos babilônios. Mas eu digo que neste país ainda se comprarão terras. 44 As pessoas vão comprar, assinar escrituras, fechá-las com selos e chamar testemunhas. Isso acontecerá nas terras da tribo de Benjamim, nos povoados em volta de Jerusalém, nas cidades de Judá e nas cidades das montanhas, das planícies e da região sul. Eu trarei o povo de volta ao seu país. Eu, o Senhor, falei.

___
 
Nova Traduҫão na Linguagem de Hoje 2000 (NTLH) Copyright 2000 Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados / All rights reserved.

Nenhum comentário:

Postar um comentário