Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH)

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Oséias 4 a 7 (dia 220)

Oséias 4-7

Deus acusa Israel

O Senhor Deus tem uma acusação a fazer contra o povo que vive neste país. Escutem, israelitas, o que Deus está dizendo:
— Não há sinceridade, não há bondade, e ninguém neste país quer saber de Deus. Juram falso, mentem, matam, roubam e cometem adultério. Os crimes e os assassinatos aumentam. Por isso, a terra ficará seca, e tudo o que vive nela morrerá. Morrerão os animais, as aves e até os peixes.

Deus acusa os sacerdotes

O Senhor Deus diz:
— Não acusem nem repreendam o meu povo. A minha acusação é contra vocês, sacerdotes. Dia e noite, vocês andam sem rumo, e os profetas fazem o mesmo. Vou acabar com Israel, a mãe de vocês. O meu povo não quer saber de mim e por isso está sendo destruído. E vocês, sacerdotes, também não querem saber de mim e esqueceram as minhas leis; portanto, eu não os aceito mais como meus sacerdotes, nem aceitarei os seus filhos como meus sacerdotes.
— Quanto maior é o número de sacerdotes, maior também é o número de pecados que cometem; por isso vou fazer a glória deles virar desgraça. Eles ganham a vida à custa dos pecados do povo e por causa disso querem que o povo peque. Portanto, os sacerdotes sofrerão o mesmo castigo que vou fazer cair sobre o meu povo. Vou castigá-los, e eles terão de pagar pelo mal que fizeram. 10 Os sacerdotes estão me abandonando e adorando outros deuses. Por isso comerão dos sacrifícios que o povo me oferece, mas não ficarão satisfeitos; adorarão os deuses da fertilidade, mas não terão filhos.

A idolatria do povo de Israel

11 Deus diz:
— O meu povo está perdendo o juízo porque anda bebendo muito vinho. 12 Pedem a um pedaço de pau que revele o futuro e fazem perguntas a uma coluna de madeira. Eles me abandonaram. Como uma mulher que se torna prostituta, eles me abandonaram e se entregaram a deuses pagãos. 13 Oferecem sacrifícios nos altares pagãos no alto dos montes e ali queimam incenso debaixo dos carvalhos e de outras árvores cheias de folhas, onde a sombra é tão gostosa.
— E assim as suas filhas viram prostitutas, e as suas noras cometem adultério. 14 Mas nem por isso eu as castigarei; pois vocês, homens, têm encontros com prostitutas nos templos pagãos e vão com elas oferecer sacrifícios aos deuses pagãos. E assim um povo sem juízo caminha rápido para a destruição!
15 — O povo de Israel está sendo infiel a mim, mas espero que o povo de Judá não seja culpado do mesmo pecado. Não adorem em Gilgal ou em Bete-Avém, nem façam ali promessas em nome do Senhor Deus, que vive para sempre. 16 O povo de Israel é teimoso como uma vaca brava. Não posso cuidar do meu povo como um pastor cuida das ovelhas num pasto grande. 17 O meu povo se entrega à adoração de ídolos, e não se pode fazer nada quanto a isso. 18 Eles ficam embriagados e se entregam à imoralidade, levando assim uma vida de desonra. 19 Um vento os carregará para longe, e ficarão com vergonha da sua idolatria.
— Prestem atenção, sacerdotes! Escutem, israelitas! Ouçam, gente da família do rei! Vocês serão condenados, pois em Mispa foram como uma armadilha, no monte Tabor foram como um laço e no vale das Acácias foram como um poço profundo. Por isso, eu vou castigá-los. Eu sei muito bem o que os israelitas fizeram: eles adoraram deuses pagãos e por isso estão impuros.

Oseias condena a idolatria do povo

As más ações do povo de Israel não deixam que eles voltem para o seu Deus. Eles têm tanta vontade de adorar ídolos, que não querem mais saber de Deus, o Senhor. O seu orgulho é prova de que são culpados. Por causa dos seus pecados, eles tropeçam e caem, e o povo de Judá cai com eles. Levam as suas ovelhas e os seus bezerros para oferecê-los em sacrifício ao Senhor, mas isso não adianta nada. Eles não podem achá-lo, pois ele se afastou deles. Foram infiéis ao Senhor, e os seus filhos são ilegítimos. Portanto, daqui a pouco eles e as suas terras serão destruídos.

Guerra entre Israel e Judá

Toquem as cornetas em Gibeá e em Ramá! Deem o grito de alarme em Bete-Avém! Estejam alertas, homens da tribo de Benjamim! Eu já anunciei ao povo de Israel aquilo que certamente vai acontecer: vem aí o dia do castigo, e Israel será destruído.
10 O Senhor Deus diz:
— Os chefes de Judá invadiram Israel e tomaram as suas terras. Por isso, estou irado e vou castigá-los duramente. 11 O povo de Israel está sendo explorado, e os seus direitos não estão sendo respeitados porque eles insistiram em seguir deuses falsos. 12 Portanto, como a traça eu destruirei Israel e como o câncer acabarei com Judá.
13 — Quando Israel percebeu que estava doente, e Judá notou que também estava ferido, Israel foi procurar a ajuda do poderoso rei da Assíria; mas ele não os pôde curar nem fazer sarar os seus ferimentos. 14 Como um leão, eu atacarei os povos de Israel e de Judá. Eu os farei em pedaços e depois irei embora levando-os comigo. E ninguém os poderá salvar.
15 — Então voltarei para o meu lugar e ali ficarei até que eles reconheçam o seu pecado e, na sua aflição, venham me procurar.

Arrependimento fingido

O povo de Israel diz:
— Venham, voltemos todos para Deus, o Senhor. Ele nos feriu, mas com certeza vai nos curar; ele nos castigou, mas certamente nos perdoará. Daqui a uns dois ou três dias, no máximo, ele nos dará novas forças e nos porá de pé, e nós sempre faremos a sua vontade. Vamos nos dedicar mais e mais ao Senhor! Tão certo como nasce o sol, ele virá nos ajudar; virá tão certamente como vêm as chuvas da primavera, que regam a terra.
Mas o Senhor Deus responde:
— O que é que vou fazer com você, Israel? E com você, Judá, o que é que eu faço? Pois o amor de vocês é tão passageiro como a cerração ao nascer do sol; é como o orvalho, que seca logo de manhã. Foi por isso que mandei os meus profetas anunciar que eu vou castigar e matar vocês. E o que exijo de vocês é claro como a luz do sol. Eu quero que vocês me amem e não que me ofereçam sacrifícios; em vez de me trazer ofertas queimadas, eu prefiro que o meu povo me obedeça.
— Mas na cidade de Adã o meu povo quebrou a aliança que fiz com ele e ali foi infiel a mim. Gileade é uma cidade cheia de malfeitores e assassinos. Os sacerdotes são como assaltantes que esperam escondidos para roubar os outros. Na estrada que vai para Siquém eles matam e cometem crimes horrorosos. 10 Tenho visto uma coisa horrível na terra de Israel: o meu povo adora ídolos e por isso está impuro.
11 — E já marquei o dia em que vou castigar também o povo de Judá.
— Quando tento curar o povo de Israel e fazê-lo ficar rico de novo, a única coisa que vejo são os seus pecados e a sua maldade. São mentirosos, são ladrões que roubam as casas e assaltam pessoas nas ruas. Eles pensam que eu esqueço todos os seus pecados. Estão rodeados pelas suas maldades, e não posso deixar de vê-las.

Mentiras, ódio e traição

O Senhor Deus diz:
— O meu povo é malicioso, e com as suas mentiras eles enganam o rei e os governadores. Todos eles são traidores. O ódio queima neles como o fogo no forno, que o padeiro não atiça até que a massa tenha crescido e esteja pronta para assar. No dia da festa do rei, eles deram tanto vinho a ele e aos governadores, que eles ficaram bêbados, e o rei fez todo tipo de tolices. O ódio continuou a queimar nos corações deles, enquanto planejavam intrigas contra o rei. A noite toda, abafaram o seu ódio, mas de manhã ele acendeu como fogo. Queimando de raiva, eles mataram os seus chefes; todos os seus reis foram mortos, um depois do outro. Mas não há ninguém que ore a mim.

Israel e as outras nações

O Senhor diz:
— O povo de Israel faz acordos com outros povos e agora parece um pão mal assado. O povo não percebe que a nação está perdendo o seu poder por causa desses acordos com estrangeiros. A nação está ficando fraca como um velho de cabelos brancos, mas o povo não percebe isso. 10 O orgulho do povo é testemunha contra si mesmo. Todas essas coisas aconteceram, mas mesmo assim eles não se voltam para mim, nem procuram a ajuda do Senhor, seu Deus. 11 Israel parece uma pombinha tola: procura primeiro a ajuda do Egito e depois vai pedir socorro na Assíria. 12 Mas eu os pegarei, como quem pega passarinhos com uma rede. Eu os castigarei de acordo com as mensagens que ouviram nas suas reuniões.
13 — Eles estão perdidos e serão destruídos, pois fugiram e se revoltaram contra mim. Eu queria salvá-los, mas eles dizem mentiras a meu respeito. 14 As orações que me fazem não são sinceras; ao fazê-las, eles se jogam no chão, gritando como os pagãos. Quando oram pedindo trigo e vinho, eles se cortam, como os outros povos fazem. Todos se revoltaram contra mim. 15 Fui eu que os ensinei e lhes dei forças, mas eles planejam maldades contra mim. 16 Como uma flecha atirada por um arco defeituoso não atinge o alvo, assim também o meu povo se desviou de mim e começou a adorar ídolos. Os seus chefes falam com orgulho e por isso serão mortos à espada. Aí o povo do Egito zombará deles.

___
 
Nova Traduҫão na Linguagem de Hoje 2000 (NTLH) Copyright 2000 Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados / All rights reserved.

Nenhum comentário:

Postar um comentário